The Apple of Discord / A Maçã da Discórdia


  

Adam and Eve in the Garden, by Michelangelo (detail)

 When Zeus threw a wedding party for Peleus and Thetis – parents of Achilles, the one with the ankle played by Brad Pitt in the film – he made a huge mistake. Gods screw up too; after all they’re just humanoid aliens from other planets who created us in their own image. So no wonder, Zeus showed the well-known manlike tendency to neglect women and did not invite, of all girls, Eris, Goddess of Discord. How do you not invite the person in charge of such an important concept is beyond me. Being a lady with an attitude, she showed up anyway, throwing a golden apple with the inscription ‘for the fairest one’ at Hera, Athena and Aphrodite, and in that manner sowing the discord among the three goddesses as to who was… the fairest one! They demanded from Zeus a definite decision, but the leader of the alien-gods was like any of his heterosexual male creations and it was difficult for him to decide on who among the three beautiful women was the most spectacular. So he delegated the decision on gorgeous Paris, a young demigod, meaning the child of a god with an earthly female, which was the type of inter-racial marriage highly controversial at the time. The goddesses, possessing the qualities of manipulation inherently learnt by their female earthly counterparts, promised him the world. Hera would give him Europe and Asia (Colombo hadn’t landed in America yet), Athena would make him a great warrior, and Aphrodite…oh dear Aphrodite … she would give him the love of the most beautiful mortal female on the planet, a chick called Helen. The young handsome man went crazy, how could he refuse the love of the most beautiful woman in the world? He could have just wanted great sex, no committment, but greedy Paris wanted all. He wanted the kind of love that comes with possession of the desired and desirable object. He wanted Helen all to himself, next to him, where he lived. Did anyone ask Helen what she wanted? No. The woman was married to a royal, and suddenly, one fine day, after a stupid game of vanity among three goddesses, she is taken away, kidnapped by … ok … a young gorgeous man – could be worse – but, nevertheless taken away across the sea to a foreign place where people spoke who knows what language and had who knows what habits. Paris’ decision was a horny one, causing the famous war of Troy, where a lot of innocent people got killed and a bunch of sweaty muscled men came out of a horse one night. The story is absurd, it doesn’t make any sense,but that was how the apple became known as the fruit of discord. The episode is known among Discordianists, followers of the Goddess Eris, as the Original Snub.    

 Why an apple and not a banana, a mango, or even a watermelon, I don’t know. Apples are a lot to blame for all that went wrong with this planet. Ask Bill Gates. As I sit here and eat one, while I conspire my next naughty female-like cunning maneuver, I think of Adam and Eve having the first human female/male discordances that were to become a millenar tradition among us boys and girls. As stupid as it may sound an argument to have with a lover – to eat the apple or not to eat the apple – the question is actually that the apple is only an excuse for other problems that different genders are simply not communicating to each other. The argument could be who’s cooking tonight and the result would still be chaos, disorder and eviction from paradise. Now put each one on separate paradises, with their own apples, and a middlefield where to meet and to be or not be, and the question becomes that life can be sweet.    

 An apple was also the weapon used in the attempted murder of Snow White, but when not injected with infectious virus, doctors insist we should have one a day. And what a coincidence that Snow White’s stepmother, whom I always found loads more attractive than the stupid girl – at least in the Disney version -, obsessed over who was the fairest in the world… In fact, thinking of fairy tales, discord as a result of not being invited to a party, was also a cause of major stress for Sleeping Beauty. Her dad didn’t invite the local lady with an attitude, so the little girl was cursed and had to wait 100 years to have sex! At least she slept it through and woke up with lots of energy for self-discovery, various experimentations with her friends, until some guy came along and mentioned relationship. That was the end of her story.    

Fast forward to modern times and Eris is now a dwarf planet beyond Pluto, which was discovered in 2005, and which many have speculated would be the famous planet Nibiru – so named by the ancient Sumerians -, home to our creators who made us in their image, as their own Slave Species of God. I discord from naming the planet to blame for our existence after a female with an apple, but if it’s true that Nibiru is coming and we’re calling it Eris, then isn’t it ironic that we can actually say that Eris is coming to crash the party again. Hopefully no harm will come from her apples, and it’s not like the Vogons are coming to demolish the planet to pave way for the intergalactic highway that the universe so desperately needs. Let’s just hope that Paris is not around this time, or at least has become able to think in terms of an open relationship.    

Adam and Eve, Tamara de Lempicka in http://atuleirus.weblog.com.pt/arquivo/2005/04/index0

Discord is good. Only discord moves us forward. Somehow I appear to have been following it intuitively, since chaos and disorder have permeated my best life experiences, my human, alien, animal and herbal relationships, and continue today to infiltrate the often surreal happenings of my existence. In discovering the discordianist approach to life, I also discovered a discourse proving chaos and disorder as natural laws that we must set in motion, so that we can free ourselves from the dictatorship of order where everything is put in tiny labelled boxes. So, stop all drama, embrace chaos and disorder and see what happens! And as stated in the introduction of Principia Discordia the book wherein is explained absolutely everything worth knowing about absolutely anything – written by the great 23rd century time-travelling anthropologist Gregory Hill aka Malaclypse the Younger:    

“In conclusion, there is no conclusion. Things go on as they always have, getting weirder all the time.”   

Isn’t that a chaotically beautiful thought?   

For further information about Discordianism, consult your pineal gland or google it. Preferably on an apple. They’re virus free.  

Quando Zeus deu uma festa para celebrar o casamento de Peleus e Thetis – pais de Aquiles, aquele do calcanhar representado por Brad Pitt – ele cometeu um erro enorme. Os deuses também fazem disparates, afinal eles mais não são que alienígenas humanóides de outros planetas que nos criaram à sua própria imagem. Assim, não admira que Zeus demonstrasse a tendência masculina para negligenciar as mulheres, não convidando justo quem? Eris, Deusa da Discórdia! Como não convidar a pessoa que tem a cargo um conceito tão importante está além da minha compreensão. Mas sendo Eris uma mulher com atitude, ela apareceu mesmo assim, atirando uma maçã dourada  com a inscrição ‘para a mais bela’ aos pés de Hera, Atena e Afrodite e assim lançando a discórdia entre as deusas sobre quem era afinal a mais bela das três! Exigiram de Zeus uma decisão definitiva mas o líder dos deuses-alienigenas era como qualquer uma de suas criações heterosexuais masculinas e teve dificuldade em decidir qual das três belas mulheres era a mais espetacular. E assim delegou a função no bonitão do Paris, um jovem semi-deus, o que significa ser filho de um deus com uma humana terrestre, que era um tipo de casamento inter-racial muito controverso naquele tempo. As deusas possuindo as qualidades de manipulação inerentes ao aprendizado de qualquer uma de suas contrapartes terrestres, prometeram-lhe o mundo. Hera lhe daria a Europa e a Ásia (Colombo não chegara ainda ás Américas), Atena faria dele um grande guerreiro, e Afrodite … ai querida Afrodite … ela lhe daria o amor da mais bela mulher do planeta, uma gata chamada Helena. O jovem e belo homem ficou louco, como poderia ele recusar o amor da mais bela mulher do mundo? Ele podia querer apenas sexo fabuloso, sem compromisso, mas ganancioso, Paris queria tudo. Ele queria aquele tipo de amor carregado de possessão pelo objeto desejado e desejável. Ele queria Helena só para ele, do lado dele, onde ele estivesse. E alguém perguntou a Helena o que ela queria? Não. A mulher era casada com um rei, e de repente, um belo dia após um jogo de vaidade de três deusas, ela é levada, sequestrada por … ok … um jovem e belíssimo rapaz – podia ser pior – mas, ainda assim levada além-mar para um lugar estrangeiro onde se fala sabe-se lá que língua e se tem sabe-se lá que hábitos. Paris tomou uma decisão ditada pelo tesão, que resultou na famosa guerra de Troía, onde muita gente inocente pereceu e onde um monte de homens suados e bombados saíram uma bela noite de dentro de um cavalo. A história é absurda sim, não faz o menor sentido, mas foi assim que a maçã se tornou no fruto da discórdia. O episódio é conhecido entre Discordianistas, seguidores da Deusa Eris, como o Desdenho Original.  

The Wedding of Peleus and Thetis, Cornelis Van Haarlem, 1593 in http://www.wga.hu/frames-e.html?/html/c/cornelis/5wedding.html

Porquê uma maçã e não uma banana, uma manga, ou até uma melancia, não sei. As maçãs têm muita culpa por muito do que deu errado neste planeta. Perguntem ao Bill Gates. Sentada aqui, comendo uma maçã, enquanto conspiro ao bom estilo feminino meus proximos ardilosos e preversos artifícios, penso em Adão e Eva tendo a primeira discordia entre um homem e uma mulher, o que havia de se transformar numa tradição milenar entre a gente. Pode parecer estúpido discutir com um amante sobre se comemos ou não a maçã. Na verdade, a maçã não passa de uma desculpa para outros problemas que gêneros diferentes parecem não estar comunicando um ao outro. O argumento podia ser sobre quem vai fazer o jantar hoje, que o resultado seria na mesma, caos, desordem e despejo do paraíso. Agora, ponham cada um no seu paraísozinho separado, cada um com suas maçãs, e um espaço no meio onde se encontrar para ser ou não ser, e eis que a questão é simplesmente que a vida e se curtir é uma delícia. 

A maçã foi ainda usada como arma na tentativa de assassinato de Branca de Neve, mas quando não é injetada com vírus infecciosos, insistem os médicos que devemos comer uma por dia. E que grande coincidência que a madrasta da Branca de Neve, que aliás sempre achei muito mais atraente que a idiota da garota – pelo menos na versão Disney – era obcecada com quem era a mais bela do mundo… Falando em contos de fadas, discórdia enquanto resultado de não se ser convidado para uma festa, foi também motivo de grande stress para a Bela Adormecida. Seu pai não convidou a mulher de atitude da cidade e a pequena foi amaldiçoada e teve de esperar 100 anos para transar! Pelo menos dormiu bastante e acordou cheia de energia para se explorar a si própria e experimentar coisas diferentes com seus amiguinhos, até que apareceu um tipo falando de relacionamento. Esse foi o fim da história dela

Acelerando para os tempos modernos, Eris é hoje um planeta-anão para lá de Plutão, descoberto em 2005, que se especulou ser o planeta Nibiru – assim chamado pelos antigos Sumérios – e o lar dos criadores que nos fizeram a sua imagem, para ser a Espécie Escrava de Deus. Discordo com isto de dar o nome de uma fêmea com uma maçã ao planeta culpado por existirmos, mas se é mesmo verdade que Nibiru vem aí e que lhe chamamos Eris, então podemos irônicamente dizer que Eris está chegando para furar a festa de novo. Esperamos que nada de mal venha de suas maçãs, e pelo menos não são os Vogons que vêm demolir o planeta para pavimentar o caminho para a estrada intergaláctica que o universo tão desesperadamente precisa. Vamos esperar que Paris não esteja por aqui desta vez, ou que pelo menos seja capaz de pensar em termos de relação aberta.  

 Discórdia é bom. Só discórdia nos leva para a frente. De algum jeito eu tenho seguido discórdia intuitivamente pois caos e desordem permearam as minhas melhores experiências de vida, as minhas relações humanas, alienígenas, animais e herbais, e continuam hoje a infiltrar os muitas vezes surreais acontecimentos da minha existência. Ao descobrir a abordagem discordianista da vida, descobri também um discurso que ensaia o caos e a desordem enquanto leis naturais que devemos pôr em movimento, para que nos possamos libertar da ditadura da ordem onde tudo é metido em pequenas caixinhas rotuladas. Paremos então com os dramas e aceitemos o caos e a desordem para ver o que acontece! Como está escrito na introdução de Principia Discordia – o livro onde está explicado absolutamente tudo o que vale a pena saber sobre absolutamente qualquer coisa – da autoria do grande viajante no tempo e antropólogo do século 23, Gregory Hill aka Malaclypse, o Jovem:  

“Concluindo, não existe conclusão. As coisas continuam como sempre foram, cada vez mais estranhas.”  

Não é um pensamento caóticamente belo?  

Para mais informação sobre Discordianismo, consulte sua glândula pineal ou google. De preferência num Apple que não pega vírus. 

About manu|escrita

https://about.me/manu.escrita View all posts by manu|escrita

6 responses to “The Apple of Discord / A Maçã da Discórdia

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: