The Gods Must Be Crazy / Os Deuses Devem Estar Loucos


“Do you know what a black hole is?” asks a depressed Woody Allen, concerned with the purpose of life, to Cookie, the black prostitute lying on his bed.

“Yeah… that’s how I make my living” answers Cookie.

And that’s where humanity comes from.

African Eve

80.000 years ago, the daughters of Eve crossed the Gates of Grief leaving África to Yemen, and thus giving the first step in the history of humanity’s migrant past. They were the mothers of humanity, out of Africa, and like any human being today, their mitochondrial line led to one woman, a matriarch who 120.000 years before, somewhere in Africa, bread the first biologically viable human being in  modern shape. From the sisters who didn’t leave to Yemen and chose to stay behind in the cradle of humanity, descend the populations of Africa, northern or sub-Saharan. Or so say official studies of DNA trails tracing back our ancestry to those remote times. But with so many twists and turns, migrations and deportations, who knows the precise journey of his/her mother’s mother’s mother’s and so on?

The Mother is common to all of us and that being enough to ridicule racists everywhere and put an end to that cancer, it is also on Her that we should be focusing on. What that means basically is that we should be putting that old philosophical question back on the table: “where did we come from?” Or rather: “where the hell did she come from?”. Was she a cute primate who mutated to produce the first human being? How did that happened? Was she the first aquatic ape to leave the water? Or did she just appear on land? Was she a product of evolution that one day – bam – I’m here and I’m a human being, or was she created/genetically mutated by the gods aka aliens?

Being our oldest human mother an African, it is perhaps logical that if there is an answer to the above questions, it must also be found in Africa. In the oral history or the wisdom of the elder, on which African sagacity philosophers put an emphasis, and in the cave paintings that survive throughout the continent and the sculpture works depicting mythological figures. That is, the superstitions and the fetishes, if we were to use European colonial condescending language. Past that in what are supposedly post-colonial times, shouldn’t we – western reasoning aside – listen to the remaining African philosophers, the shamans who survived colonialism?

Yesterday, during a conversation with a friend about roots and aliens, I was forced to recall an interview I watched with one such man, the Zulu Shaman Credo Mutwa, who tells the incredible creation story of humanity and the saga that followed. A long time ago, we were all hermaphrodites and had the ability to reproduce individually. We didn’t know the joys of sex and that’s a bummer. But then again you can’t miss what you don’t know right? We were also mute, something that did wonders for our good communication skills, and had telepathic powers both among ourselves and with the other animals that inhabited our motherland in South Africa. Game was abundant, the planet was a nurturing home to all, and we were happy.

One day, out of the clear blue sky, from a ball of fire, descended the gods. They were strange creatures, tall and slender, with jointless arms and legs and reptilian appearance. The Chitauri, as they are called by the Zulu, were led by a despot named Umbaba Gorrontuari Zamahongo, who had big antelope horns in his head. The invaders wanted gold for whatever reason, but they didn’t want to dig it. And so they decided to turn the hermaphrodite earthlings into their slaves, setting a precedent that was to be followed more recently by the Spanish and Portuguese conquistadores of the middles ages.

As if that wasn’t enough, and perhaps to stop us from reproducing, the gods divided the population and genetically modified – I’m using contemporary language here of course – each half into men and women. We didn’t like that. Men hated the boobs and women were disgusted by penises. They simply did not know what to do with it. We became miserable, working those mines like slaves…well, literally, because we did become the slave species of the gods. It was then that Umbaba’s wife, the gentle and sweet lizard female, Mai Zarantuari Zamahongo, who felt compassion for our misery, made a clumsy attempt to bring us joy. She told us about our bodies and what we could do together with them. She taught us about sex and we were happy again. But the Chitauri weren’t. When we discovered sex, productivity decreased. We were doing it everywhere, in the mines, the bushes, the caves and under the sky. Who cares about gold? We were humans!

The Chitauri weren’t. And so they did care about gold. Umbaba was furious and Mai once again came up with a clumsy solution. “Let’s make women pregnant then. Men will leave them alone and return to the mines”. She really screwed us all girls with that one, but she meant well. To reinforce control over the population – here too I’m speaking in contemporary terms -, Umbaba also adopted a methodology well-known in any political science course curriculum today: divide and rule. He gave us the power to speak but he cursed us with different languages. After that, I believe the snowball of mess got completely out of control and with the rapid population increase, the gods, in inferior numbers, left if not by fear of rebellion than by the exhaustion of precious metal resources. And so we were left unequal, no telepathic powers, lousy communication skills, left alone to roam the planet out of Africa, lost in the meaning of life, and looking in prayer to the skies as if from there anything good had ever come to us.

I heard of other stories of reptilian gods who descended upon earth, some to teach us something useful, like starting a fire or planting maize. Others not so friendly, like the Annunaki who landed in Sumeria 6000 years ago jump starting a civilization in the region of Mesopotamia, where Iraq is today. They too, ruled over the land like despots, taking earthling females to procreate demigods from whom descend the royal dynasties of Europe, always obsessed with keeping it all in the family and maintaining the “blue” blood. As for the Dogon people of west Africa, who migrated from Egypt and Syria to Mali thousands of years ago, they were telling anthropologists Germaine Dieterlen and Marcel Griaule in the 1940’s that their gods had the appearance of fish and came from a companion star to Sirius. Sirius is visible in the night sky but the planet of the Dogon gods is only visible by telescope and was not discovered until the 1970’s, when it gained the creative name of Sirius B by the also creative NASA. The gods must have been kind to the Dogon, because they venerate them and re-enact their appearance in masks worn in sacred rituals. And around the world there are stories of flying dragons and serpents and of good and evil gods descending from the skies in balls of fire. Myths?

The Chitauri story is also biblically familiar. The creation as division of one being into two, the reptile who tells of the secrets of nakedness and offers the forbidden fruit, the punishment particularly of women who would naturally be the ones to be approached on such matters by another female, even if a reptilian. Coincidentally, in greek mythology, discord to the world is brought by goddess aka alien Eris by throwing, you guess it, an apple! And there is also the curse of the language, not as means of communication but of miscommunication. Remember the Tower of Babel? Are these just coincidences?

On April Fool’s Day, I’m thinking that the history we’ve been told about our origins might be a complete or partial pack of lies. Perhaps creation, modification and evolution all co-existed together. It is obvious that mental devolution accompanied technological evolution ever since the thumb thing happened. But that’s not a sign of creation by a perfect being, it is rather the result of a surgery gone wrong. The alien theory makes therefore more sense than creation.

Sorted out the DNA trail and evolution/devolution and sorted out how our oldest mother was modified to give birth to the rest of humanity, we are left with only one question. Who the fuck created the hermaphrodites?

Until we find out, bless me Mother and bless me Cookie, the black hole of humanity.

“Você sabe o que é um buraco negro? Pergunta um Woody Allen deprimido e preocupado com o significado da vida, a Cookie, a prostituta negra deitada na sua cama.

“Sei. É como eu ganho a vida” responde Cookie.

E é daí que vem a humanidade.

Há 80.000 anos, as filhas de Eva cruzaram por mar os Portões do Pesar fazendo a travessia da África para o Yemen, e dando assim o primeiro passo na história das grandes migrações humanas. Foram elas as mães da humanidade fora de África, e como todos os seres humanos hoje em dia, a sua linha mitocondrial conduzia a apenas uma mulher, uma matriarca que algures na África 120.000 anos antes havia parido o primeiro ser humano moderno biologicamente viável. Das suas irmãs que não partiram para o Yemen, e escolheram permanecer no berço da humanidade, descendem as populações da África, a norte e sul do deserto do Sahara. Pelo menos é a conclusão dos estudos oficiais da trilha do DNA que rastreou os nossos ancestrais até esses tempos remotos. Mas com tantas idas e vindas, migrações e deportações, vai saber o percurso preciso da mãe da sua mãe da sua mãe e por ai fora?

A Mãe é comum a todos e sendo isso suficiente para ridicularizar qualquer racista e acabar com esse câncer, também é Nela que deveríamos focar. O que isso significa é que deveríamos colocar de novo na mesa aquela velha pergunta filosófica “de onde viemos?”. Ou antes: “donde ela veio?”. Era ela uma primata bonitinha que sofreu uma mutação produzindo assim o primeiro ser humano? E como isso aconteceu? Ela foi a primeira primata aquática a sair da água? Ou sempre habitou em terra? Era ela um produto da evolução que um dia – BAM – “tou aqui, sou um ser humano”, ou foi ela criada/geneticamente modificada pelos deuses aka alienígenas?

Sendo a mais velha das nossas Mães uma mulher Africana, é talvez lógico que procuremos as perguntas colocadas acima também em África. Na história oral e na sabedoria dos anciãos onde os filósofos de sagacidade africanos põe ênfase, e nas pinturas rupestres e esculturas representativas de figuras mitológicas. Ou seja, nas superstições e fetiches, se quisermos usar uma linguagem colonialista e condescendente. Passado esse período, em tempos supostamente pós-coloniais, não deveríamos nós – pondo de parte o raciocínio ocidental – ouvir os poucos filósofos africanos que restam, os xamãs que sobreviveram à colonização?

Ontem, durante uma conversa com uma amiga sobre raízes e alienígenas, relembrei uma entrevista que vi com um desses filósofos, o Xamã Zulu Credo Mutwa, que contou a incrível história da criação da humanidade e a saga que se seguiu. Há muito, muito tempo éramos todos hermafroditas e tínhamos a capacidade de nos reproduzirmos individualmente. Não conhecíamos os prazeres do sexo o que era chato. Mas como não se sente a falta do que se não conhece… Éramos ainda todos mudos, o que fazia maravilhas pela nossa capacidade de comunicação, e tínhamos poderes telepáticos tanto entre nós como com os outros animais que habitavam a nossa terra mãe na África do Sul. A caça era abundante, o planeta nutria todos e éramos felizes.

Um dia, do profundo azul do céu, por meio de uma gigante bola de fogo, desceram os deuses. Eram criaturas estranhas, altos e magros, sem articulações nos membros e de aparência réptil. Estes Chitauri, como são chamados pelos Zulus, eram liderados por um déspota chamado Umbaba Gorrontuari Zamahongo, que tinha cornos de antílope na cabeça. Os invasores vinham em busca de ouro mas não queriam minerá-lo. Assim, decidiram fazer dos terráqueos hermafroditas seus escravos, criando um precedente que seria replicado mais recentemente pelos conquistadores espanhóis e portugueses da idade média.

Como se isso não bastasse, e talvez para que a gente parasse de se reproduzir, os deuses dividiram a população e modificaram geneticamente – uso aqui termos contemporâneos obviamente – cada metade em homem e mulher. Não gostámos nada disso. Os homens odiavam os peitos das mulheres e elas achavam os pénis nojentos. Não sabiam simplesmente o que fazer com aquilo. Tornámo-nos infelizes, trabalhando nas minas como escravos … e éramos literalmente a espécie escrava dos deuses. Então, a mulher de Umbaba, a gentil e doce lagarta Mai Zarantuari Zamahongo, sentiu compaixão pela nossa miséria e resolveu fazer uma tentativa desastrada para nos trazer algum prazer na vida. Falou-nos de nossos corpos e o que podíamos fazer juntos com eles. Ensinou-nos sexo e sentimo-nos felizes de novo. Mas os Chitauri não acharam graça nenhuma. Quando descobrimos o sexo, a produtividade diminuiu. Trepávamos por todo o lado, nas minas, nos arbustos, nas cavernas e a céu aberto. Oh alegria! Ninguém queria saber do ouro. Éramos humanos!

Mas o Chitauri não eram. E gostavam de ouro. Umbaba ficou furioso e Mai tentou consertar a confusão com mais uma solução desastrosa. “Faremos que as mulheres engravidem. Assim os homens as deixam em paz e voltam para as minas”. Foi com essa que ela nos fodeu a todas, mas a intenção era boa. Para apertar o controle da população – de novo aqui uso termos contemporâneos – Umbaba adotou ainda uma metodologia bem conhecida do currículo de qualquer curso em ciência política de hoje: dividir para governar. Deu-nos assim o poder da fala mas deixou-nos falando línguas diferentes. Depois disso acredito que perderam o controle de tudo e foi tal a bola de neve de confusão, mais o aumento populacional, que os deuses, em números bastante inferiores, partiram se não por medo de uma revolta, então por esgotamento dos recursos de metais preciosos. E assim nos deixaram. Desiguais, sem poderes telepáticos, com terríveis capacidades de comunicação, abandonados para errar pelo planeta para fora d’África, perdidos no sentido da vida e desde então jogando as mãos para o céu em oração, como se de lá alguma vez tivesse vindo alguma coisa boa.

Já ouvi várias histórias de deuses reptilianos que desceram à terra, alguns para ensinar alguma coisa útil como fazer fogo ou plantar trigo. Outros não eram tão simpáticos, como os Annunaki que baixaram na Suméria há 6000 anos iniciando a primeira grande civilização da Mesopotâmia, onde hoje é o Iraque. Também eles eram déspotas, tomando as fêmeas terráqueas para procriar os semideuses de quem descendem as famílias reais européias, sempre obcecadas em manter tudo em família para preservar o sangue “azul”. Quanto ao povo Dogon da África ocidental, que migrou do Egito e da Síria há milhares de anos para o Mali, já falavam seus xamãs na década de 40 aos antropologistas Germaine Dieterlen e Marcel Griaule, de seus deuses com aparência de peixe que vinham de uma estrela companheira de Sirius. Sirius é visível de noite no céu mas o planeta dos deuses dos Dogon só pode ser visto de telescópio e não foi descoberto até a década de 70, quando lhe foi dado o criativo nome de Sirius B pela também criativa NASA. Os deuses devem ter sido bons para os Dogon, porque são por eles venerados e personificados nas máscaras usadas em rituais sagrados. E por todo o mundo existem histórias de dragões e serpentes voadoras, e de deuses benevolentes e maquiavélicos que descem dos céus em bolas de fogo. Mitos?

A história dos Chitauri é ainda biblicamente familiar. A criação enquanto divisão de um ser em dois, o réptil que conta o segredo da nudez e oferece o fruto proibido, o castigo em particular da mulher que seria a quem naturalmente uma outra fêmea, ainda que réptil, se dirigiria com informação daquela importância. Coincidentemente, na mitologia grega, a discórdia vem ao mundo por meio de uma maçã atirada por uma deusa aka alienígena de nome Eris. E ainda tem a história da praga da linguagem, não enquanto um meio de comunicação, mas de falta de comunicação. Lembram-se da Torre de Babel? São isto apenas coincidências?

No dia das mentiras, penso que a história que nos contaram sobre as nossas origens é um completo pacote de isso mesmo: mentiras. Talvez criação, modificação e evolução tenham co-existido. É obvio que devolução mental tem consistentemente acompanhado evolução tecnológica desde que apareceu o tal do polegar. Mas isso em nada parece um produto criado por um ser perfeito. Parece mais o resultado de uma cirurgia que correu mal. A teoria alienígena faz assim muito mais sentido que a teoria da criação.

Resolvido o enigma da trilha de DNA e o mistério da evolução/devolução; e resolvido o mistério da mutação da Mãe da humanidade, resta apenas uma pergunta: quem criou os hermafroditas?

Até descobrirmos, benção Mãe e benção Cookie, o buraco negro da humanidade.

Cookie (Hazelle Goodman) in Deconstructing Harry, 1997

About manu|escrita

https://about.me/manu.escrita View all posts by manu|escrita

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: