Category Archives: ArtEs

Don’t Be Afraid of the Frogs / Não Tenhas Medo dos Sapos

No Tengas Miedo (Don’t Be Afraid). Mural by VinZ Feel Free, 2012, Valencia, Spain

This wall is a tribute to the miner’s women (wifes, daughters, sisters, girlfriends…) who are in Asturias, León and Teruel, fighting for their labor rights while the miners walked 500 km to Madrid during the “Marcha negra” strike.” 

With these words, street artist VinZ Feel Free described the wall he recently painted in the Barrio del Carmen in Valencia. The coal miners’ protest shook the beginning of the summer in Spain. Faced with the austerity measures that have marked European economics in the last couple of years, the miners of the northern province of Asturias, took a walk to the capital, Madrid, to protest against the spanish government. It wasn’t a peaceful walk. Clashes with riot police along the road made news around the world. The miners’ despair at the prospect of loosing their jobs and livelihood made them loose fear, and the well known police brutality in such situations found firm resistance from the protestors and those who along the way started to join them.

VinZ Feel Free paid homage to the miners, using the iconography that has become his trademark in pasted posters all over town: naked bodies with colorful painted bird heads signifying purity and freedom – as opposed to frog heads, which the artist usually puts on cops and business men. Not long afterwards, the cops were gone from the mural. Painted over their guilt, and left the bird heads to defend themselves from an invisible attacker. (see image at the bottom after portuguese translation).

As my own homage to the artist and the cause, and with the intent of perpetuating a defaced work of street art with political comment that I find valuable, I chose VinZ’s free bird head women to illustrate my most recent project on Feminist Art – dasVagabundas, a visual archive of women, art, memory and revolt, with citations and links. From the ape heads of the Guerrilla Girls, to the colorful balaclavas of Pussy Riot, the bird heads of all free women now also stand as one more icon of female resistance.

No Tengas Miedo (Don’t Be Afraid), mural detail, VinZ Feel Free, 2012, Valencia, Spain

Este muro é um tributo ás mulheres dos mineiros (esposas, filhas, irmãs, namoradas…) que estão nas Asturias, León e Teruel, lutando por seus direitos trabalhistas enquanto os mineiros caminhavam 500 km para Madri durante a greve da “Marcha negra.” 

Com estas palavras, o artista de rua VinZ Feel Free descreveu o muro que tinha pintado recentemente no Barrio del Carmen em Valencia. O protesto dos mineiros abalou este principio de verão na Espanha. Perante as medidas de austeridade que marcaram a economia europeia dos últimos anos, os mineiros da província nortenha de Astúrias, marchou para a capital para protestar contra o governo espanhol. Não foi uma passeata pacifica. Confrontos com a policia de choque ao longo do caminho fizeram noticia em todo o mundo. O desespero dos mineiros perante a perspectiva de perderem seus empregos e modo de vida deixou-os sem medo, e a bem conhecida brutalidade policial nestas situações encontrou resistência firme dos manifestantes, bem como daqueles que a eles se foram juntando no caminho.

VinZ Feel Free presta homenagem aos mineiros, usando a iconografia que já é marca sua nos cartazes colados por toda a cidade: corpos nús com coloridas cabeças de pássaros significando pureza e liberdade – em oposição às cabeças de sapo que geralmente põe em policias e homens de negócios. Não passou muito tempo, os policias já não estavam no muro. Pintaram por cima para limpar a culpa, e deixaram as cabeças de pássaro se defendendo de um atacante invisível. (ver imagem em baixo).

Em jeito de homenagem ao artista e à causa, e com a intenção de perpetuar um destruído trabalho de arte de rua com comentário politico que valorizo, escolhi as cabeças de passarinho livre de VinZ para ilustrar o meu projeto mais recente em arte feminista – dasVagabundas, um arquivo visual de mulheres, arte, memória e revolta, com citações e links. Desde as cabeças de gorila das Guerrilla Girls, às coloridas balaclavas das Pussy Riot, as cabeças de pássaro de todas as mulheres livres são agora mais um icon de resistência feminista.

No Tengas Miedo (Don’t Be Afraid). Mural by VinZ Feel Free, 2012, Valencia, Spain. AFTER COP INTERVENTION. APÓS INTERVENÇÃO POLICIAL.

Advertisements

V for Vagina, not Vendetta / V de Vagina, não de Vingança

"Um pinto duro coloca a mulher no seu lugar" Lilith Adler, 1996.

“You’re on your own.” That’s how Lilith Adler’s statement regarding this image ends. The man in the picture, may be the handsome charming prince that every woman is said to be on the look out for, but he symbolizes how power and sex continue to reflect male dominance in society. It’s present in the image that shocked the conservative art world – because it is not the body of a woman we came accustomed to gaze at in western art  – and it is certainly present in the text accompanying the image. Because, what non-masochistic woman unwilling to submit, either haven’t heard that or something like it?

Lilith Adler died before she completed 40 years old. A young woman, a feminist, whose work was incredibly poignant in addressing the issue of gender power relations. She was only 10 years old when Linda Nochlin published her (in)famous essay “Why Have There Been No Great Women Artists?” addressing historical male dominance in the art world and market. A text that not only inspired countless women artists to address the question of male dominance in all areas, but also set art historians on a quest for female artists neglected by the history of art throughout centuries. Research far from being completed and male dominance far from being erased. You see it in attitudes, you still see it in the art world – including street art world, the street being symbolically male, while women still belong in the domesticity of the home. And mostly you see it in language. And I had a good hint at that very recently.

Less than two weeks ago, I nearly got attacked by a man, who thought it was very rude of me to push him away hard, after he tried to corner me and grab me by the waist. Since I didn’t act with submission like a good girl – or should I say, since I reacted like a woman – I immediately became a thin ugly bitch who was, and I quote, treating him like a dog. As if I treated animals like they were retarded misogynists! I had to tell two other guys before, to remove their hands off me when they approached me thinking they have the right to do so, or that it is charming and irresistible to a woman, that sort of closeness from a total stranger. One of them apologized – good, he might be learning something – the other called me rude. But the third one won the prize of the year (so far) for the “prick looking to straighten me out”. And he might have tried to do so, if I wasn’t immediately surrounded by friends and bar security. I’m thin, he was obese. I’m weaker, he’s stronger.

Documentary “Weapon of War: Confessions of Rape in Congo”, 2009 Documentário “Arma de Guerra: Confissões de Estupro no Congo”, 2009

Absurd. I reacted as I should. As every woman should. Male friends agree. What an idiot that guy. They tell me that. But then I hear the same friends say things like: such and such institutions “opened the legs” to such and such. Language. Opening the legs, an expression in Portuguese, which indicates submission by such to such. You can use it in any sense but the expression is sexually rooted, because, who opens her legs? Men or women?

Language. It is not an accident that “conquest” and “adventure” are expressions used to describe what was in fact western colonization of the world – or a sex affair. Male dominance of land and women. Because women came with the territory. And if I say “fuck that”, ” screw it”, “up yours”, I will be using other expressions, which clearly indicate sexual male dominance and came into common vocabulary to describe something we despise, give no value to and it’s under our power to dominate. Language.

Being a woman who will not be straightened out, who prefers casual relations with male friends who I can respect, who’s not afraid to stroll around town at early hours of the morning, I have to constantly face attitudes that, even if unsaid, denote that I am one of the following:

1) A bitch (language: female dog);

2) Feminazi (language: male’s submission to women because in their ignorance feminism is the opposite of misogyny);

3) Crazy (language: women should not walk by themselves at night, that being the crime rather than a possible assault or rape);

4) Lesbian (language: a women not interested in a particular man, according to that same man).

I must say I took some pleasure in watching Lisbeth’s vendetta on the prick who raped her, in The  Girl With the Dragon Tattoo, adapted from Stieg Larsson‘s first volume of the Millenium series, Men Who Hate Woman (ironically translated to Portuguese as Men Who Don’t Love Women. Language: Hate being different from Not To Love). But I don’t want to focus on a V for Vendetta. I prefer V for Vagina.

So I was interested in learning about V-Day, an initiative by Eve Ensler, author of the Vagina Monologues and a great promoter of the City of Joy a community of women in Kongo where rape victims have been able to heal from gender violence in that country. The Campaign “One Billion Rising” launched by the writer, is a call for women, and men who love them, to dance together wherever they are, until the violence stops. The date has been set to Feb. 14, 2013. Feminism asks for equality and respect between genders. And while women feel threatened when they go for a stroll at any hour of the day or night Feminism is a concept that needs to exist.

And maybe some day, we can call our V, a V for Victory, when we are no longer alone like Lilith Adler reminded us.

“Você está sozinha.” Assim termina o texto da artista Lilith Adler sobre a imagem que se segue. O homem retratado até parece o príncipe encantado com quem supostamente todas as mulheres sonham.

"Um pinto duro coloca a mulher no seu lugar" Lilith Adler, 1996.

Mas ele simboliza como poder e sexo continuam a ser reflexos de uma sociedade dominada pelo macho. A ideia está presente na imagem que chocou o lado conservador do mundo da arte – apenas porque não retrata o corpo da mulher que estamos habituados a observar na arte ocidental –, e está certamente presente no texto que acompanha a imagem. Que mulher não masoquista, que recusa submissão, não ouviu já esta fase ou algo parecido?

Lilith Adler morreu antes dos 40 anos de idade. Uma mulher jovem, com um portfólio aguçado que tratou o tema das relações de poder entre gêneros. Tinha apenas 10 anos quando Linda Nochlin publicou o seu famoso ensaio  “Why Have There Been No Great Women Artists” (Onde Estao as Grandes Mulheres da Arte?) indagando sobre o domínio masculino no mundo e mercado artístico. Um texto inspirador para que inúmeras mulheres artistas tratassem o tema do domínio masculino em todas as áreas da vida, e que lançou os historiadores da arte numa busca pelas artistas negligenciadas na disciplina ao longo dos séculos. Uma pesquisa longe de estar terminada e um domínio masculino longe de ser apagado. Vê-se pelas atitudes, ainda se vê no mundo da arte – incluindo na arte de rua, a rua sendo simbolicamente território do homem, enquanto as mulheres pertencem na esfera doméstica do lar. E principalmente, é notório na linguagem. Como testemunhei recentemente.

Há menos de duas semanas atrás, quase fui atacada por um homem, que achou muito rude da minha parte, o empurrar com força após me fechar num canto e me tentar agarrar pela cintura. Como não fui submissa como uma boa moça – ou seja, reagi como uma mulher – fui imediatamente agredida com os termos de vagabunda, magrela, feiosa que tinha, e cito, tratado o sujeito “que nem cachorro”. Como se eu tratasse os animais do mesmo jeito que trato um misoginista retardado! Antes já havia dito a outros dois machos que tirassem a mão de mim quando chegaram se achando no direito de me agarrar, ou pensando que é charmoso e irresistível para uma mulher esse tipo de proximidade vinda de um completo desconhecido. Um pediu desculpa – que bom, talvez tenha aprendido alguma coisa -, o outro disse que eu era grossa. Mas foi o terceiro que ganhou o premio do ano (ate agora) de “maior escroto querendo me colocar no lugar”. E talvez tivesse tentando se eu não fosse imediatamente rodeada de amigos (e amigas) e pelos seguranças do bar. Eu sou magra, ele é obeso. Eu sou mais fraca, ele é mais forte.

After-rape scene from “The Girl With The Dragon Tattoo”, 2011 Cena pós-estupro em “Os Homens Que Não Amavam as Mulheres”, 2011

Um absurdo. Eu reagi como devia. Como qualquer mulher devia. Os amigos homens concordam. Que idiota aquele tipo – eles disseram. Mas depois ouço os mesmo amigos em conversa dizerem coisas do tipo: tal instituição abriu as pernas para não sei que tal… Linguagem. Abrir as pernas, uma expressão que indica submissão de algo ou alguém a algo ou alguém. Pode ser usada em qualquer sentido, mas tem raízes sexuais porque afinal, quem abre as pernas? Homens ou mulheres?

Linguagem. Não é a toa que “conquista” e “aventura” são expressões usadas para descrever o que de fato foi a colonização ocidental do mundo – ou uma ligação sexual. Domínio masculino sobre terra e fêmeas. Porque as mulheres vinham com o território. E se eu disser “foda-se” ou “tomar no cú” estarei usando expressões, que claramente indicam domínio sexual masculino e que entraram na gíria para descrever algo que se despreza, não se dá valor, que está sob o nosso poder de dominar. Linguagem.

Sendo uma mulher que recusa ser colocada “no seu lugar”, que prefere relações casuais com homens que consigo respeitar e que não tem medo de passear de madrugada, sou constantemente confrontada com atitudes que, se não expressadas verbalmente, denotam um dos seguintes rótulos:

1) Vagabunda (linguagem: puta, cachorra);

2) Feminazi (linguagem: submissão do homem a mulher, porque na sua ignorância eles acham que feminismo é o oposto de machismo);

3) Louca (linguagem: as mulheres não devem andar por aí de madrugada como se fosse esse o crime, em vez do potencial de agressão e estupro);

4) Lésbica (linguagem: a mulher que não esta interessada num homem, de acordo com esse mesmo homem).

Devo dizer que tirei algum prazer em ver a vingança de Lisbeth com o escroto que a estuprou, em Os Homens Que Não Amam as Mulheres (The Girl With the Dragon Tattoo), adaptado do primeiro volume da serie Millenium do autor sueco Stieg Larsson, que no original se chama Os Homens Que Odeiam a Mulheres (Linguagem: Odiar é diferente de Não Amar e no entanto a versão portuguesa prefere um tom mais leve). Mas não quero me focar num V de Vendetta. Prefiro um V de Vagina.

Assim, fiquei muito interessada em saber que se aproxima o Dia V, uma iniciativa de Eve Ensler, autora dos Monólogos da Vagina e grande promotora da City of Joy (Cidade da Alegria), uma comunidade de mulheres no Congo, onde vitimas de estupro se reúnem para se ajudarem na recuperação de traumas relacionados com a violência contra as mulheres naquele país. A Campanha “One Billion Rising” (Um Bilhão Se Erguendo), lançada pela autora, é uma chamada a todas as mulheres e os homens que as amam, para dançarem juntos, onde quer que estejam, até a violência acabar, e a data foi marcada para o próximo dia 14 de fevereiro de 2013. Feminismo pede igualdade e respeito entre gêneros. E enquanto as mulheres se sentirem ameaçadas por resolverem dar uma caminhada seja de dia, seja de noite, Feminismo é um conceito que precisa de existir.

Talvez um dia a gente possa chamar o nosso V, V de Vitoria. Quando já não estivermos sozinhas, como nos lembrou Lilith Adler.

Artists “Occupy” Mission to Protest Violence Against Women, San Francisco, 2011 Artistas "Ocupam" o bairro Mission para Protestar a Violência Contra as Mulheres, San Francisco, 2011


Erasable Lives and Cairo Street Art / Vidas Apagaveis e Arte de Rua no Cairo

The Egyptian Revolution took place one year ago and was followed by an Arab spring of uprisings. Among the thousands who took to the streets were of course the young artists – a crowd by the way frequently found in these sorts of events, be it in Egypt or anywhere in the world. And among this young artists was one of the first martyrs of Tahrir Square, Ahmed Basiony, mentioned on this blog nearly a year ago. The violence of the early days of the revolution and the death of  friend, catalyzed an independent street art movement, the Young Artist’s Coalition, who spent 2011 celebrating the end of Mubarak’s 30 year reign, by filling the streets of Cairo with the colors of revolutionary graffiti. They came to the spotlight last July when they painted on Tahrir Square, the space signifying their revolution where so much happened and so many were butchered by their nation’s brutal riot police.They opened the debate around the institutional uses given to the public space, questioning them, in parallel to the much larger questioning of public institutions that was taking place around the Middle East.

And now, one year on, the revolution is far from over. Cairo fell once more in the hands of bureaucrats, and the police can once again simply grab a woman protestor of her clothes, stripping her and kicking her in the chest. Which shows that tirany still reigns, and therefore so does resistance. The Young Artist Coalition is made of people who lived their entire lives under the tirany of the Mubarak regime and for whom art became inseparable from resistance. How to erase the last 30 years of history that have been their own entire lives? And what about the last 60 years? 90 years?

Shift Delete 30 is an exhibition where 13 members of The Young Artist’s Coalition conceptualize that idea, while examining their own lives and the history of their country. The works of Bassem Yousri, Osama DawodAhmed El Samra, Mohamed Mohsen (aka Chetos), Osama Abdel Moneim, Islam Kamal, Mohamed Abdallah, Mohamed Ezz, Ahmed Abdel Fattah, Tamer Shahen, Amr Amer, Ibrahim Saad and Mostafa El Bana are currently being shown at Cairo’s Beit Al Uma (House of the Nation) – where ironically lived the first prime-minister of Egypt (1923), Saad Zaghloul, who had previously fought European colonization of his land. Another life of resistance that can never be deleted.

How many generations have been living erasable lives?

Vinegar .. Soldier .. Cola, by Mohamed Ezz

A revolução egípcia aconteceu tem um ano e foi seguida de uma primavera Arabe de revoltas. Entre os milhares que saíram para as ruas estavam obviamente os jovens artistas – gente que sempre aparece nestes eventos, seja no Egito ou onde for. E entre estes jovens artistas estava um dos primeiros martires de Tahrir Square, Ahmed Basiony, que mencionei neste blog vai fazer um ano. A violência daqueles primeiros dias e a morte de um amigo catalisaram um movimento de arte de rua independente, a Young Artist’s Coalition (Coligação de Jovens Artistas), que passaram 2011 celebrando o fim do reinado de Mubarak, enchendo as ruas do Cairo com as cores do graffiti da revolução. Ficaram mais conhecidos quando em julho pintaram a Praca de Tahrir, o espaço insignia da revolta onde tanto aconteceu e tantos foram massacrados pela brutal policia de choque. Abriram o debate sobre os fins institucionais dados ao espaço público, questionando os mesmos, paralelamente ao questionamento mais abrangente sobre as instituições púbicas que ocorria por todo Oriente Médio.

E agora, um ano depois, a revolução está longe de acabar. O Cairo mais uma vez caiu nas mãos dos burocratas, e a policia ainda pode arrastar uma mulher num protesto, rasgando-lhe a blusa e dando-lhe pontapés no peito. O que mostra que ainda reina a tirania, e portanto também a resistência. A Coligação de Jovens Artistas é feita de gente que viveu sua vida inteira sob a tirania do regime de Mubarak e para quem a arte se tornou inseparável da resistência. Como apagar os últimos 30 anos de historia, se estes foram sua vida inteira? E os últimos 60? 90?

Shift Delete 30 é uma exposição onde 13 membros da Coligação de Jovens Artistas conceitualizam essa ideia enquanto examinam suas próprias vidas e a historia de seu pais. Os trabalhos de Bassem Yousri, Osama DawodAhmed El Samra, Mohamed Mohsen (aka Chetos), Osama Abdel Moneim, Islam Kamal, Mohamed Abdallah, Mohamed Ezz, Ahmed Abdel Fattah, Tamer Shahen, Amr Amer, Ibrahim Saad and Mostafa El Bana estão em mostra na Beit Al Uma (Casa da Nação) no Cairo – onde ironicamente morou o primeiro ministro egipcio (1923), Saad Zaghloul, que no inicio do século lutou contra a colonização europeia da sua terra. Outra vida de resistência que jamais será apagada.

E quantas mais gerações viveram vidas apagáveis?

Bits and Pieces, by Tamer Shahen


The Bullfight / A Tourada

We know already what happens when the gods procreate with humans. A class of demi-gods is born and they immediately set to rule us all mortals, in the name of the gods. But what happens when the gods decide to breed with animals is often a lot more catastrophic. When Afrodite fell in love with a white bull, she went into a wooden cow so she could get her frantic pansexual needs satisfied. The Bull responded, attracted to a giant doll cow, rather then to the goddess of love herself. The result was a big white male human beast, who came to rule dictatorially in a well-protected labyrinth, which no humans could get to. A place symbolizing our modern institutions, a place we know call Wall Street.

It is said that the bull is a symbol of male fertility and masculinity. The ability to fight. A symbol of braveness. Qualities that the adepts of patriarchy insist on recreating in bullfights. In Portugal, the forcados totaling 7 man, enter the arena, teasing the bull, until it charges. The objective is to stop the bull, as it is said that the strength of a bull equals that of 7 men. But in the Wall Street bullfight, it takes a lot more. The bull has help. It’s called the NYPD.

However, the ferocious sculpture of a raging bull, placed in Bowling Green Park in the vicinity of New York’s (or is it the world’s) financial district, right after the stock market crash of 1987, does not mean what it seems. The Bull could signify Wall Street’s awareness of its Bullying attitude towards the peoples and resources of the earth. After all, they even use terms such as Bull Market to describe “upward trends” in which their capital gains are calculated for economies that don’t even show signs of recovery, after they receive economic shock therapies.

Instead, the sculpture, was a gift by artist Arturo Di Modica to the city, signifying the strength and power of the American people. And so now, Americans are indeed reclaiming the (wall) streets and the Bull. The minotaure is inside the stock exchange, but the father, the innocent animal tricked by the goddess is raging out on the streets. The Bull is no longer about patriarchy and masculinity. But it remains a symbol of fight. From humans against the gods.

The 99% Occupy Wall Street, and the Bull has only just began raging.

Sabemos o que acontece quando os deuses procriam com os humanos. Nasce uma classe de semi-deuses que de imediato se preparam para mandar nos mortais, em nome dos deuses. Mas o que acontece quando os deuses resolvem se reproduzir com animais pode ser bem mais catastrófico. Quando Afrodite se apaixonou por um belo touro branco, meteu-se dentro de uma vaca de madeira para satisfazer suas necessidades pan-sexuais. O touro respondeu atraído por aquela vaquinha-boneca; não pela deusa, que fique claro. O resultado foi uma besta humana grande, branca e do sexo masculino, que um dia governou ditatorialmente a partir de um labirinto bem protegido, onde nenhum humano podia entrar. Um lugar que simboliza nossas instituições modernas, um lugar a que hoje chamamos Wall Street.

Dizem que o touro é um simbolo de fertilidade e masculinidade. Da capacidade de lutar. Um símbolo de braveza. Qualidades que os adeptos do patriarcado insistem em recrear em touradas. Em Portugal, os 7 forcados entram na arena para provocar o touro a atacar. O objetivo é parar o bicho, pois diz-se que a força de um touro iguala a de 7 homens. Mas na tourada de Wall Street são precisos muitos mais. O touro tem ajuda. Chama-se NYPD – Departamento da Policia de Nova Iorque.

No entanto, a escultura feroz de um touro enraivecido, colocada em Bowling Green Park, nas redondezas do distrito financeiro de Nova Iorque (ou será do mundo?), não quer dizer aquilo que parece. O touro poderia até simbolizar que Wall Street está bem ciente da sua atitude de Bullying para com os povos e os recursos do planeta. Afinal eles usam termos tipo “Mercado de Touro” (Bull Market), para descrever “tendências crescentes” onde os seus ganhos de capital são calculados para economias que ainda não mostram sinais de recuperação, após receberem terapias econômicas de choque.

Em vez disso, a escultura, foi uma oferta do artista Arturo Di Modica à cidade, simbolizando a força e o poder do povo americano. E assim, agora, os Americanos estão de fato reclamando as ruas e o Touro. O minotauro vive dentro da bolsa de valores, mas o pai, o animal inocente, enganado pela deusa, está enraivecido pelas ruas. O Touro já não simboliza patriarquia e masculinidade. Mas permanece um símbolo de luta. Dos humanos contra os deuses.

Os 99% Ocupam Wall Street, e o Touro ainda agora começou a bufar de raiva.


The Man Who Took Parliament Square / O Homem Que Ocupou a Praça do Parlamento

This was Brian Haw. During the years I lived in London, I spoke to him a few times. He was a monument to peace, a living monument, camped out in front of the Houses of Parliament, guarding a row of anti-war signs and photographs of the victims of war in Afghanistan, Iraq, Palestine. He took action in june 2001, before 9-11, protesting the already disgusting foreign policy of the United Kingdom and the United States, and their sanctions on Iraq which were in place since Bush daddy years. When in 2005, the parliament tried to restrict protests in parliament square, under a law with the fancy name of Serious Organized Crime and Police Act, Haw successfully won a court case and was permitted to remain on his protest site. He was harassed by the police frequently and his signs, as well as hundreds of items offered to him by the public, were taken away in 2006. However, the following year, the confiscated display was re-created in an installation by artist Mark Wallinger. Exhibited at Tate Britain the piece won the Turner Prize of 2007.

Brian Haw didn’t win any prizes. Instead he put himself on the line, living day after day, month after month, year after year, in a tent in parliament square. When those double-deck tourist buses passed by, you could see people taking pictures, not of the historical houses of parliament across the road, but of him and his display. He became a public figure, viewed by some as a genuinely committed peace activist, and by others as just another dude acting crazy. For me, he was the sanest dude in town.

Brian Haw was a heavy smoker and he died last saturday of lung cancer. 10 years after his crusade against exploitation, war and genocide started. It wasn’t in vain. The world is already changing and we are winning. It’s about time we take another square. Parliament square.

Aquele lá no video acima era Brian Haw. Durante os anos que morei em Londres, falei com ele algumas vezes. Ele era um monumento à paz, um monumento vivo, acampado em frente das Casas do Parlamento, guardando uma exposição de cartazes anti-guerra e fotografias das vitimas das guerras no Afeganistão, no Iraque, na Palestina. Resolveu agir em junho de 2001, ainda antes do 11 de setembro, protestando os então já nojentos negócios estrangeiros do Reino Unido e dos Estados Unidos, e suas sanções impostas ao Iraque desde a era do paizinho Bush. Quando em 2005, o parlamento tentou restringir os protestos na praça, com um regulamento de nome pomposo chamado “Lei da Policia e Sério Crime Organizado” (Serious Organized Crime and Police Act), Haw ganhou um caso em tribunal que lhe permitiu permanecer no seu local de protesto. Era frequentemente assediado pela policia, que em 2006 lhe tirou os cartazes, assim como centenas de itens oferecidos pelo público. No entanto, no ano seguinte, a exposição confiscada foi re-criada numa instalação do artista Mark Wallinger. Exibida no Tate Britain a obra ganhou o Premio Turner de 2007.

Brian Haw não ganhou nenhum premio. Em vez disso correu riscos, vivendo dia após dia, mês após mês, ano após ano numa tenda na praça do parlamento. Quando aqueles onibus de 2 andares cheios de turistas passavam, podia-se ver as pessoas tirando fotos, não das históricas casas do parlamento do outro lado da estrada, mas de Brian e da sua exposição. Tornou-se uma figura pública, olhado por uns como um ativista da paz genuinamente empenhado na sua causa, e por outros como mais um louco. Para mim, ele era a pessoa mais sã da cidade.

Brian Haw fumava sem parar. Morreu no sabado passado de cancer de pulmão. 10 anos depois de ter iniciado a sua cruzada contra a exploração, a guerra e o genocidio. Não foi em vão. O mundo já começou a mudar e nós vamos ganhar. Chegou a altura de tomar mais uma praça. A do parlamento.

More pics here: http://www.flickr.com/photos/dastenras/galleries/72157626885477071/


The Revolutionary Will Be Remembered / O Revolucionário Será Recordado

Just a couple of weeks after the 30th anniversary of Bob Marley’s pass to the kingdom of Jah, another great musician of revolutions leaves us. Gil Scott Heron, the poet and musician, author of The Revolution Will Not Be Televised, died this weekend at the age of 62. Launched in Small Talk at 125th and Lenox in 1970, the song became a hymn to the Black Power Movement and was included as track 7 of Black and Proud: The Soul of the Black Panther Era Vol 1. The original version was a spoken word performance accompanied solely by drums, a format that would later identify Scott-Heron as a precursor of Rap. And in the best tradition of Rhythm and Poetry, The Revolution Will Not Be Televised has been sampled countless times, and it even inspired the title of the 2003 documentary, about the Venezuela coup attempt against President Chávez, directed by Kim Bartley and Donnacha O’Brian. Below, a video with Scott-Heron’s original version, a Sarah Jones feminist performance inspired by it and a more recent 7 minute mash-up, which interested me mainly for the sequence of images that, like Scott-Heron’s lyrics, presents countless references to people and aspects of the american culture and counter-culture of the 1960’s.

The revolutionary is dead. Long Live the Revolution.

///

Apenas umas semanas após o trigésimo aniversário da passagem de Bob Marley para o reino de Jah, é a vez de mais um grande trovador de revoluções nos deixar. Gil Scott-Heron, o poeta e músico, autor de A Revolução Não Será Televisionada, morreu este fim de semana com 62 anos. Lançada no álbum Small Talk at 125th and Lenox in 1970, a música tornou-se um hino para o Movimento Negro e foi incluída em Black and Proud: The Soul of the Black Panther Era Vol 1. A versão original foi apresentada como uma performance de palavra falada apenas acompanhada de batuque, um formato que mais tarde identificaria Scott-Heron como um dos precursores do Rap. E na melhor tradição do “Ritmo e Poesia”,  A Revolução Não Será Televisionada originou inúmeros samples, e inspirou até o titulo do documentário de 2003, sobre a tentativa de golpe de estado contra o Presidente venezuelano Hugo Chávez, dirigido por Kim Bartley e Donnacha O’Brian. Em baixo, um video com a versão original escrita por Scott-Heron, um video de uma performance feminista de Sara Jones inspirada pelo música, e um mais recente mash-up de 7 minutos que me interessou principalmente pela sequencia de imagens que, tal como a letra de Scott-Heron, mostra várias referências a personalidades e aspectos da cultura e contra-cultura americana da década de 1960.

O Revolucionário está morto. Viva a Revolução.


The Gods Must Be Crazy / Os Deuses Devem Estar Loucos

“Do you know what a black hole is?” asks a depressed Woody Allen, concerned with the purpose of life, to Cookie, the black prostitute lying on his bed.

“Yeah… that’s how I make my living” answers Cookie.

And that’s where humanity comes from.

African Eve

80.000 years ago, the daughters of Eve crossed the Gates of Grief leaving África to Yemen, and thus giving the first step in the history of humanity’s migrant past. They were the mothers of humanity, out of Africa, and like any human being today, their mitochondrial line led to one woman, a matriarch who 120.000 years before, somewhere in Africa, bread the first biologically viable human being in  modern shape. From the sisters who didn’t leave to Yemen and chose to stay behind in the cradle of humanity, descend the populations of Africa, northern or sub-Saharan. Or so say official studies of DNA trails tracing back our ancestry to those remote times. But with so many twists and turns, migrations and deportations, who knows the precise journey of his/her mother’s mother’s mother’s and so on?

The Mother is common to all of us and that being enough to ridicule racists everywhere and put an end to that cancer, it is also on Her that we should be focusing on. What that means basically is that we should be putting that old philosophical question back on the table: “where did we come from?” Or rather: “where the hell did she come from?”. Was she a cute primate who mutated to produce the first human being? How did that happened? Was she the first aquatic ape to leave the water? Or did she just appear on land? Was she a product of evolution that one day – bam – I’m here and I’m a human being, or was she created/genetically mutated by the gods aka aliens?

Being our oldest human mother an African, it is perhaps logical that if there is an answer to the above questions, it must also be found in Africa. In the oral history or the wisdom of the elder, on which African sagacity philosophers put an emphasis, and in the cave paintings that survive throughout the continent and the sculpture works depicting mythological figures. That is, the superstitions and the fetishes, if we were to use European colonial condescending language. Past that in what are supposedly post-colonial times, shouldn’t we – western reasoning aside – listen to the remaining African philosophers, the shamans who survived colonialism?

Yesterday, during a conversation with a friend about roots and aliens, I was forced to recall an interview I watched with one such man, the Zulu Shaman Credo Mutwa, who tells the incredible creation story of humanity and the saga that followed. A long time ago, we were all hermaphrodites and had the ability to reproduce individually. We didn’t know the joys of sex and that’s a bummer. But then again you can’t miss what you don’t know right? We were also mute, something that did wonders for our good communication skills, and had telepathic powers both among ourselves and with the other animals that inhabited our motherland in South Africa. Game was abundant, the planet was a nurturing home to all, and we were happy.

One day, out of the clear blue sky, from a ball of fire, descended the gods. They were strange creatures, tall and slender, with jointless arms and legs and reptilian appearance. The Chitauri, as they are called by the Zulu, were led by a despot named Umbaba Gorrontuari Zamahongo, who had big antelope horns in his head. The invaders wanted gold for whatever reason, but they didn’t want to dig it. And so they decided to turn the hermaphrodite earthlings into their slaves, setting a precedent that was to be followed more recently by the Spanish and Portuguese conquistadores of the middles ages.

As if that wasn’t enough, and perhaps to stop us from reproducing, the gods divided the population and genetically modified – I’m using contemporary language here of course – each half into men and women. We didn’t like that. Men hated the boobs and women were disgusted by penises. They simply did not know what to do with it. We became miserable, working those mines like slaves…well, literally, because we did become the slave species of the gods. It was then that Umbaba’s wife, the gentle and sweet lizard female, Mai Zarantuari Zamahongo, who felt compassion for our misery, made a clumsy attempt to bring us joy. She told us about our bodies and what we could do together with them. She taught us about sex and we were happy again. But the Chitauri weren’t. When we discovered sex, productivity decreased. We were doing it everywhere, in the mines, the bushes, the caves and under the sky. Who cares about gold? We were humans!

The Chitauri weren’t. And so they did care about gold. Umbaba was furious and Mai once again came up with a clumsy solution. “Let’s make women pregnant then. Men will leave them alone and return to the mines”. She really screwed us all girls with that one, but she meant well. To reinforce control over the population – here too I’m speaking in contemporary terms -, Umbaba also adopted a methodology well-known in any political science course curriculum today: divide and rule. He gave us the power to speak but he cursed us with different languages. After that, I believe the snowball of mess got completely out of control and with the rapid population increase, the gods, in inferior numbers, left if not by fear of rebellion than by the exhaustion of precious metal resources. And so we were left unequal, no telepathic powers, lousy communication skills, left alone to roam the planet out of Africa, lost in the meaning of life, and looking in prayer to the skies as if from there anything good had ever come to us.

I heard of other stories of reptilian gods who descended upon earth, some to teach us something useful, like starting a fire or planting maize. Others not so friendly, like the Annunaki who landed in Sumeria 6000 years ago jump starting a civilization in the region of Mesopotamia, where Iraq is today. They too, ruled over the land like despots, taking earthling females to procreate demigods from whom descend the royal dynasties of Europe, always obsessed with keeping it all in the family and maintaining the “blue” blood. As for the Dogon people of west Africa, who migrated from Egypt and Syria to Mali thousands of years ago, they were telling anthropologists Germaine Dieterlen and Marcel Griaule in the 1940’s that their gods had the appearance of fish and came from a companion star to Sirius. Sirius is visible in the night sky but the planet of the Dogon gods is only visible by telescope and was not discovered until the 1970’s, when it gained the creative name of Sirius B by the also creative NASA. The gods must have been kind to the Dogon, because they venerate them and re-enact their appearance in masks worn in sacred rituals. And around the world there are stories of flying dragons and serpents and of good and evil gods descending from the skies in balls of fire. Myths?

The Chitauri story is also biblically familiar. The creation as division of one being into two, the reptile who tells of the secrets of nakedness and offers the forbidden fruit, the punishment particularly of women who would naturally be the ones to be approached on such matters by another female, even if a reptilian. Coincidentally, in greek mythology, discord to the world is brought by goddess aka alien Eris by throwing, you guess it, an apple! And there is also the curse of the language, not as means of communication but of miscommunication. Remember the Tower of Babel? Are these just coincidences?

On April Fool’s Day, I’m thinking that the history we’ve been told about our origins might be a complete or partial pack of lies. Perhaps creation, modification and evolution all co-existed together. It is obvious that mental devolution accompanied technological evolution ever since the thumb thing happened. But that’s not a sign of creation by a perfect being, it is rather the result of a surgery gone wrong. The alien theory makes therefore more sense than creation.

Sorted out the DNA trail and evolution/devolution and sorted out how our oldest mother was modified to give birth to the rest of humanity, we are left with only one question. Who the fuck created the hermaphrodites?

Until we find out, bless me Mother and bless me Cookie, the black hole of humanity.

“Você sabe o que é um buraco negro? Pergunta um Woody Allen deprimido e preocupado com o significado da vida, a Cookie, a prostituta negra deitada na sua cama.

“Sei. É como eu ganho a vida” responde Cookie.

E é daí que vem a humanidade.

Há 80.000 anos, as filhas de Eva cruzaram por mar os Portões do Pesar fazendo a travessia da África para o Yemen, e dando assim o primeiro passo na história das grandes migrações humanas. Foram elas as mães da humanidade fora de África, e como todos os seres humanos hoje em dia, a sua linha mitocondrial conduzia a apenas uma mulher, uma matriarca que algures na África 120.000 anos antes havia parido o primeiro ser humano moderno biologicamente viável. Das suas irmãs que não partiram para o Yemen, e escolheram permanecer no berço da humanidade, descendem as populações da África, a norte e sul do deserto do Sahara. Pelo menos é a conclusão dos estudos oficiais da trilha do DNA que rastreou os nossos ancestrais até esses tempos remotos. Mas com tantas idas e vindas, migrações e deportações, vai saber o percurso preciso da mãe da sua mãe da sua mãe e por ai fora?

A Mãe é comum a todos e sendo isso suficiente para ridicularizar qualquer racista e acabar com esse câncer, também é Nela que deveríamos focar. O que isso significa é que deveríamos colocar de novo na mesa aquela velha pergunta filosófica “de onde viemos?”. Ou antes: “donde ela veio?”. Era ela uma primata bonitinha que sofreu uma mutação produzindo assim o primeiro ser humano? E como isso aconteceu? Ela foi a primeira primata aquática a sair da água? Ou sempre habitou em terra? Era ela um produto da evolução que um dia – BAM – “tou aqui, sou um ser humano”, ou foi ela criada/geneticamente modificada pelos deuses aka alienígenas?

Sendo a mais velha das nossas Mães uma mulher Africana, é talvez lógico que procuremos as perguntas colocadas acima também em África. Na história oral e na sabedoria dos anciãos onde os filósofos de sagacidade africanos põe ênfase, e nas pinturas rupestres e esculturas representativas de figuras mitológicas. Ou seja, nas superstições e fetiches, se quisermos usar uma linguagem colonialista e condescendente. Passado esse período, em tempos supostamente pós-coloniais, não deveríamos nós – pondo de parte o raciocínio ocidental – ouvir os poucos filósofos africanos que restam, os xamãs que sobreviveram à colonização?

Ontem, durante uma conversa com uma amiga sobre raízes e alienígenas, relembrei uma entrevista que vi com um desses filósofos, o Xamã Zulu Credo Mutwa, que contou a incrível história da criação da humanidade e a saga que se seguiu. Há muito, muito tempo éramos todos hermafroditas e tínhamos a capacidade de nos reproduzirmos individualmente. Não conhecíamos os prazeres do sexo o que era chato. Mas como não se sente a falta do que se não conhece… Éramos ainda todos mudos, o que fazia maravilhas pela nossa capacidade de comunicação, e tínhamos poderes telepáticos tanto entre nós como com os outros animais que habitavam a nossa terra mãe na África do Sul. A caça era abundante, o planeta nutria todos e éramos felizes.

Um dia, do profundo azul do céu, por meio de uma gigante bola de fogo, desceram os deuses. Eram criaturas estranhas, altos e magros, sem articulações nos membros e de aparência réptil. Estes Chitauri, como são chamados pelos Zulus, eram liderados por um déspota chamado Umbaba Gorrontuari Zamahongo, que tinha cornos de antílope na cabeça. Os invasores vinham em busca de ouro mas não queriam minerá-lo. Assim, decidiram fazer dos terráqueos hermafroditas seus escravos, criando um precedente que seria replicado mais recentemente pelos conquistadores espanhóis e portugueses da idade média.

Como se isso não bastasse, e talvez para que a gente parasse de se reproduzir, os deuses dividiram a população e modificaram geneticamente – uso aqui termos contemporâneos obviamente – cada metade em homem e mulher. Não gostámos nada disso. Os homens odiavam os peitos das mulheres e elas achavam os pénis nojentos. Não sabiam simplesmente o que fazer com aquilo. Tornámo-nos infelizes, trabalhando nas minas como escravos … e éramos literalmente a espécie escrava dos deuses. Então, a mulher de Umbaba, a gentil e doce lagarta Mai Zarantuari Zamahongo, sentiu compaixão pela nossa miséria e resolveu fazer uma tentativa desastrada para nos trazer algum prazer na vida. Falou-nos de nossos corpos e o que podíamos fazer juntos com eles. Ensinou-nos sexo e sentimo-nos felizes de novo. Mas os Chitauri não acharam graça nenhuma. Quando descobrimos o sexo, a produtividade diminuiu. Trepávamos por todo o lado, nas minas, nos arbustos, nas cavernas e a céu aberto. Oh alegria! Ninguém queria saber do ouro. Éramos humanos!

Mas o Chitauri não eram. E gostavam de ouro. Umbaba ficou furioso e Mai tentou consertar a confusão com mais uma solução desastrosa. “Faremos que as mulheres engravidem. Assim os homens as deixam em paz e voltam para as minas”. Foi com essa que ela nos fodeu a todas, mas a intenção era boa. Para apertar o controle da população – de novo aqui uso termos contemporâneos – Umbaba adotou ainda uma metodologia bem conhecida do currículo de qualquer curso em ciência política de hoje: dividir para governar. Deu-nos assim o poder da fala mas deixou-nos falando línguas diferentes. Depois disso acredito que perderam o controle de tudo e foi tal a bola de neve de confusão, mais o aumento populacional, que os deuses, em números bastante inferiores, partiram se não por medo de uma revolta, então por esgotamento dos recursos de metais preciosos. E assim nos deixaram. Desiguais, sem poderes telepáticos, com terríveis capacidades de comunicação, abandonados para errar pelo planeta para fora d’África, perdidos no sentido da vida e desde então jogando as mãos para o céu em oração, como se de lá alguma vez tivesse vindo alguma coisa boa.

Já ouvi várias histórias de deuses reptilianos que desceram à terra, alguns para ensinar alguma coisa útil como fazer fogo ou plantar trigo. Outros não eram tão simpáticos, como os Annunaki que baixaram na Suméria há 6000 anos iniciando a primeira grande civilização da Mesopotâmia, onde hoje é o Iraque. Também eles eram déspotas, tomando as fêmeas terráqueas para procriar os semideuses de quem descendem as famílias reais européias, sempre obcecadas em manter tudo em família para preservar o sangue “azul”. Quanto ao povo Dogon da África ocidental, que migrou do Egito e da Síria há milhares de anos para o Mali, já falavam seus xamãs na década de 40 aos antropologistas Germaine Dieterlen e Marcel Griaule, de seus deuses com aparência de peixe que vinham de uma estrela companheira de Sirius. Sirius é visível de noite no céu mas o planeta dos deuses dos Dogon só pode ser visto de telescópio e não foi descoberto até a década de 70, quando lhe foi dado o criativo nome de Sirius B pela também criativa NASA. Os deuses devem ter sido bons para os Dogon, porque são por eles venerados e personificados nas máscaras usadas em rituais sagrados. E por todo o mundo existem histórias de dragões e serpentes voadoras, e de deuses benevolentes e maquiavélicos que descem dos céus em bolas de fogo. Mitos?

A história dos Chitauri é ainda biblicamente familiar. A criação enquanto divisão de um ser em dois, o réptil que conta o segredo da nudez e oferece o fruto proibido, o castigo em particular da mulher que seria a quem naturalmente uma outra fêmea, ainda que réptil, se dirigiria com informação daquela importância. Coincidentemente, na mitologia grega, a discórdia vem ao mundo por meio de uma maçã atirada por uma deusa aka alienígena de nome Eris. E ainda tem a história da praga da linguagem, não enquanto um meio de comunicação, mas de falta de comunicação. Lembram-se da Torre de Babel? São isto apenas coincidências?

No dia das mentiras, penso que a história que nos contaram sobre as nossas origens é um completo pacote de isso mesmo: mentiras. Talvez criação, modificação e evolução tenham co-existido. É obvio que devolução mental tem consistentemente acompanhado evolução tecnológica desde que apareceu o tal do polegar. Mas isso em nada parece um produto criado por um ser perfeito. Parece mais o resultado de uma cirurgia que correu mal. A teoria alienígena faz assim muito mais sentido que a teoria da criação.

Resolvido o enigma da trilha de DNA e o mistério da evolução/devolução; e resolvido o mistério da mutação da Mãe da humanidade, resta apenas uma pergunta: quem criou os hermafroditas?

Até descobrirmos, benção Mãe e benção Cookie, o buraco negro da humanidade.

Cookie (Hazelle Goodman) in Deconstructing Harry, 1997